Com acesso e título, Paulo Henrique festeja, mas também foca em 2018


Paulo Henrique, 74 anos. Experiência de sobra no futebol, títulos no currículo e acessos assegurados no Rio de Janeiro e Espírito Santo. Mas nunca é tarde para viver um momento marcante na carreira. E no futebol, a cada jogo essa chance se torna possível. Foi o que aconteceu com o comandante do Goytacaz, que neste sábado (30), com a conquista da taça da Série B1, coroou uma campanha que colocou o Alvianil na elite estadual depois de 25 anos.

- Perfeito. Era o cenário que precisava terminar, cenário lindo. A torcida do Goytacaz está de parabéns, comissão, diretores, e cito também o homem que é um grande benemérito do Goytacaz, o senhor Heraldo. Se estou hoje aqui, agradeço a ele, que é um grande patrimônio do clube - disse PH, que não deixou de projetar a Série A em 2018, apesar de não cravar a permanência.

- Na segunda-feira já estamos sentando, vamos conversar e ver o que fazer. Uma coisa garanto: o plantel fica. Vamos só arrumar as peças que eu precisar. Não sei (se continuo). Ainda vamos conversar.

Sobre mais um acesso na carreira, Paulo Henrique fez questão de destacar as experiências vividas anteriormente na carreira, em clubes como Quissamã e Atlético Itapemirim (ES).

- Experiência contou sem dúvida. Tudo aquilo que já passei, eu passei para os jogadores. Subi o Quissamã duas vezes, da Série C para a Série B e depois para a Série A. Botei o Atlético Itapemirim na primeira divisão (do Espírito Santo) e agora o Goyta. É gratificante.

O final de semana promete ser de festa. A partir de segunda, no entanto, como bem lembrou Paulo Henrique, inicia-se o tempo de planejamento. A Série A, depois de 25 anos, vai se apresentar como desafio para o Alvianil em janeiro.

Fonte: Futrio

Comentários