Anfitriã Rússia encara a poderosa Espanha pelas oitavas de final da Copa do Mundo


Agora não tem mais segunda chance, nem outro jogo para se recuperar. Quem vencer, venceu. Em caso de empate, teremos uma prorrogação de trinta de minutos, sem gol de ouro (ou morte súbita). Se a igualdade persistir aí, meu amigo, haja coração! Teremos disputa de pênaltis para saber quem avança, pois apenas uma destas duas nações estará representada nas quartas de final do torneio. Confira abaixo o prognóstico da partida.

HISTÓRICO
Desde que a Rússia se separou da União Soviética, a Espanha nunca perdeu para as Águias Douradas. São quatro triunfos da Fúria e dois empates. O último encontro foi um amistoso realizado em São Petersburgo, em 14 de novembro do ano passado. O jogo terminou 3 a 3.

Contra a antiga nação de Lev Yashin, a Roja também levou vantagem no cara a cara: duas vitórias, uma empate e uma derrota.

Na história das Copas, a Rússia somada à União Soviética nunca passou de um quarto lugar conquistado na Inglaterra, em 1966. Do outro lado, a Espanha se consagrou campeã mundial na África do Sul, em 2010.

É PRECISO MELHORAR
A Espanha chegou à Rússia como uma das favoritas ao título mundial. Muito deste crédito se deu pelos resultados obtidos na preparação, que incluíram um empate com a Alemanha fora de casa e uma arrasadora goleada sobre a Argentina por 6 a 1. Às vésperas da competição, porém, uma crise foi deflagrada, o treinador demitido e a federação precisou contratar um substituto – Fernando Hierro – às pressas.

Dentro de campo, o time conquistou apenas cinco pontos e se classificou em primeiro do Grupo B com um desempenho apenas “passável”: 3 a 3 com Portugal, 1 a 0 diante do Irã e 2 a 2 frente ao Marrocos.

O treinador foi sincero e admitiu que seu quadro precisa melhorar se quiser buscar algo grande. “Não fomos bem. Não estamos indo bem. Deste jeito não dá”, disse ele.

O goleiro reserva Pepe Reina se recuperou de lesão e é mais uma opção no banco de reservas.

A Espanha luta contra um tabu. Sempre que desafiou o país organizador da Copa do Mundo, os espanhóis foram eliminados. Em 1934, a carrasca foi a Itália. Em 1950, não havia mata-mata, mas no quadrangular final, o Brasil goleou no Maracanã. Finalmente, em 2002, a Coreia do Sul nocauteou Casillas e companhia.

ANFITRIÃ SONHA
A Rússia fez um papel melhor do que o esperado por muito especialistas neste Mundial. Depois de golear a Arábia Saudita por 5 a 0, as Águias Douradas atropelaram o Egito de Mohamed Salah por 3 a 1. Em sua última apresentação, porém, os Vermelhos sentiram a diferença técnica contra o Uruguai e apanharam de 3 a 0.

Para o confronto contra a Roja, o craque Alan Dzagoev se recuperou da contusão sofrida na estreia e se está à disposição. Não se sabe se Stanislav Cherchesov volta com ele entre os onze que começam a batalha. É que Denis Cheryschev ganhou uma oportunidade e mostrou todo seu talento ao marcar três gols. Ele está na briga até pela Chuteira de Ouro!

Uma baixa nos admiradores de Pedro O Grande: Igor Smolnikov está suspenso, pois recebeu dois cartões amarelos contra os charrúas e foi expulso.

PROVÁVEIS ESCALAÇÕES
Espanha: David De Gea; Dani Carvajal, Gerard Piqué, Sergio Ramos e Jordi Alba; Sergio Busquets, Thiago, David Silva, Andrés Iniesta e Isco; Diego Costa. Técnico: Fernando Hierro.

Rússia: Igor Akinfeev; Mário Fernandes, Ilya Kutepov, Sergei Ignashevich e Fyodor Kudryashov; Roman Zobnin, Yury Gazinski, Aleksei Miranchuk, Aleksandr Samedov e Denis Cheryshev; Artem Dzyuba. Técnico: Stanislav Cherchesov.