Campista, Lyvia Azevedo, festeja o ouro que trouxe de São Paulo

Ainda na tenra idade, com apenas 11 anos, a atleta Lyvia Azevedo já tem muita história pra contar, desde quando começou há quatro anos ensaiar os primeiros golpes no taekwondo. De lá pra cá, só coleciona medalhas, o que leva a menina a sonhar com a seleção brasileira e, futuramente, uma Olimpíada. Na mais recente façanha de Lyvia, no Brazilian Festival, em São Paulo, no Clube Pinheiros, domingo último, atletas de diferentes países latino-americanos tiveram que se curvar ao talento da campista, que conquistou a medalha de ouro em sua proeza maior até aqui no esporte.

— Foi uma proeza porque a competição estava marcada para um clube na Penha (bairro de São Paulo), depois tivemos que ir até o Pinheiros de táxi, no outro lado da cidade. Não nos avisaram. Ela ficou de 9h às 16h sem se alimentar e conseguiu trazer o ouro. Ela gosta do que faz e é muito determinada — disse Carlos Alberto, pai da atleta.

— Agradeço a Deus, à minha família, meu técnico Davi Velasco e todos que me ajudaram numa competição internacional, onde estiveram competindo atletas de vários países da América do Sul — disse Lyvia.

Lyvia enfrenta o problema da falta de patrocinador.

— Ela tem pela frente competições que geram despesas que não podemos arcar. Só com o apoio de patrocinadores — frisa Carlos.

Fonte: Folha da Manhã