Insaciável e em busca da perfeição: o Paduano do agitado Bruno Pereira

Eis o cenário: Paduano derrotando o Atlético Carioca por 4 a 0. Início de segundo tempo. Falta cobrada pelo meia Geovane, da equipe Alvinegra, reduz a contagem para 4 a 1. A vantagem do Trovão Azul seguia altamente confortável. No entanto, não impediu que o treinador Bruno Pereira aplicasse uma senhora bronca nos jogadores.

Coincidência ou não, o Paduano voltou a acelerar o ritmo na sequêncida da partida e terminou com incríveis 8 a 1 a favor. Na reta final do confronto, pouco antes do oitavo gol, Bruno Pereira tomou uma enquadrade do árbitro Rodrigo Souza Soares por conta de reclamações. Um técnico inquieto, exigente e com sede de vitória. Dentro de campo, o que se viu foi o reflexo do comandante.

- Estamos jogando um Campeonato Carioca, profissional, e isso eles têm que levar para a vida deles. Não é porque está ganhando de quatro, cinco, que pode relaxar. Eles têm que saber que tem uma equipe do outro lado que treina a semana toda, uma equipe profissional. Dou os parabéns para a minha equipe que tornou o jogo fácil. Não que o adversário seja fácil. Meu time tornou o jogo fácil e por isso saiu esse resultado elástico.

Tecnicamente os ensinamentos de Bruno Pereira também chamam atenção. O Paduano vai totalmente contra o perfil da Série C. No lugar de um jogo ríspido, de imposição física, o time do Noroeste Fluminense opta por toque de bola, dribles, jogadas envolventes e, é claro, gols. Muitos gols. São 15 ao todo - além de mais três frutos do WO sobre o São José.

- A gente trabalha bastante o toque de bola porque futebol hoje é isso. Para você não cansar, tem que ter a bola aos pés. Botei isso na cabeça deles. Mas não é porque foi 8 a 1 que não precisa melhorar. Eu boto na cabeça que quero chegar à perfeição. Sei que nunca vou chegar, mas tento chegar em 90% porque minha equipe tem qualidade para isso.

No mata-mata, vida nova
O Paduano ainda possui mais um jogo a cumprir na fase classificatória da Quartona, sendo mero cumprimento de tabela, já que a liderança do Grupo D está garantida. O duelo servirá como "esquenta" para o mata-mata da competição, quando o acesso, de fato, será decidido.

- Mata-mata é outro campeonato. Domingo acaba uma parte do campeonato. Depois virá outro time, que a gente não conhece, de outro grupo, vai ser o segundo colocado de outra chave. Série C é campeonato muito duro. Eu não sei o que vai me encontrar, mas a equipe que encontrar o Paduano vai ter uma equipe bem preparada pela frente - avisou Bruno Pereira.

No domingo (02/09) o Paduano encara o Brasileirinho, no Estádio José Gonçalves Brandão Filho, em Aperibé.  O Trovão Azul cumpre punição por não pagamento de borderô, que o impede de utilizar o Waldo Carneiro Xavier.