Athirson e comissão técnica são apresentados no salão nobre do Goytacaz


Na noite desta quinta-feira (18/10)ocorreu a apresentação da nova comissão técnica do Goytacaz. O treinador Athirson foi apresentado em coletiva de imprensa no salão nobre do estádio Ary de Oliveira e Souza, acompanhado pelos membros de sua equipe.

Além da oficialização de Athirson como comandante do time que brigará por uma vaga na Taça Guanabara, o Goyta também apresentou o auxiliar técnico Fernando Vanucci, que já trabalhou no futsal do Vasco e na base do Flamengo e CFZ; o preparador de goleiro Cláudio Barros, o preparador físico Fábio Rangel e o diretor de marketing Bruno Adegas. Paulo Henrique Oliveira, que subiu o clube no ano passado, assumiu a função de superintendente geral de futebol.

O treinador disse estar preparado para o cargo e minimizou o fato de ser iniciante.

— Não estou aqui pelo fato de ter sido ex-jogador. Estudei, me preparei, treinei outras equipes, levei pancada e aprendi. E tenho o Paulo Henrique que vai estar aqui ao meu lado, trocando ideias comigo — disse o ex-lateral do Flamengo, de 41 anos, Cruzeiro, Santos, Juventus, Bayern Leverkusen e CSKA e Seleção Brasileira. Como treinador, dirigiu o São Cristóvão, Flamengo (PI) e Alecrim (RN).

Athirson fez estágio no Fluminense e ainda concluiu o curso de técnico na CBF.
O presidente Dartagnan Fernandes destacou que o Goytacaz vai investir forte para passar à próxima fase do Campeonato Estadual.


— Não vamos medir esforços para montar um time forte e competitivo e avançar e nesta seletiva. Serão cinco jogos, cada jogo uma decisão para o Goytacaz — disse Dartagnan.

Pensando na Seletiva, o Goytacaz segue no mercado em busca de reforços. Depois de fechar com o goleiro Adilson, com o volante Ramon e o centroavante Felipe Augusto, o Alvianil da Rua do Gás acertou a contratação do lateral-esquerdo Erick Daltro, que estava no Itaboraí. Ele se apresenta ao clube no início da pré-temporada, que ainda não foi marcada.

Erick Daltro está com 25 anos e começou a carreira no São Cristóvão. Ainda nas divisões de base foi para o Olaria, antes de se transferir para o Bahia. No Rio de Janeiro, ainda defendeu o Boavista e o Vasco. Soma passagens pelo futebol português, onde jogou no Lixa e no São Martinho. Em 2018, disputou 23 jogos pelo Itaboraí. Nos próximos dias, mais reforços devem ser confirmados pela diretoria. 

- É muito orgulho representar o Paulo Henrique. Vamos conquistar com muito amor, em cima do trabalho e estudo. Trabalhei em outros clubes, mas ainda irei estudar muito. Conto com apoio de todos. Temos que dar sequência para que a gente consiga chegar à segunda fase. Não vai faltar raça e nem determinação do atletas e comissão técnica. Deus nos abençoe - disse o treinador, que completou citando o técnico da Seleção Brasileira, Tite, como inspiração.

- A experiência que trago é de gestão de grupo. Fui líder da minha equipe, isso ajuda bastante. Tite é uma grande referência porque nunca parou de estudar e assim será comigo. Temos nossa programação de trabalho e vamos alcançar - concluiu.

Reconhecimento e projeção de reforços
O presidente do Goytacaz, Dartagnan Fernandes, agradeceu a comissão técnica que levou o clube de volta à Série A do Campeonato Carioca depois de 25 anos e revelou que novos jogadores serão anunciados em breve pelo Alvianil.

- Desejo sucesso a nova comissão técnica e não posso deixar de agradecer aos que  participaram da comissão por dois anos. Quanto as contratações, temos três jogadores do Rio de janeiro, também do Nordeste e de Minas Gerais. Até o dia cinco (de novembro) iremos anunciar - disse.

A estreia do Goytacaz na Seletiva será no dia 22 de dezembro, contra o Nova Iguaçu, no Laranjão.



JOGADOR
Nascido no dia 16 de janeiro de 1977, no Rio de Janeiro, Athirson Mazzoli, ou simplesmente Athirson, foi um habilidoso lateral-esquerdo da história do Flamengo. O atleta, que rodou por vários clubes brasileiros, conquistou a Bola de Prata em 2002. Após um péssimo início de primeiro semestre pelo América-RJ, que foi rebaixado no estadual carioca, em 06 de julho de 2011, o ala chegou a fechar um contrato para a disputa da Série B pelo Bragantino, mas pouco tempo depois acabou recusando a proposta alegando motivos pessoais.

Em 2012, Athirson encerrou a carreira como jogador de futebol, vestindo a camisa do Duque de Caxias. Mas três anos depois voltou aos gramados, como treinador.

Em 2015 o ex-jogador assumiu o comando do São Cristóvão, passou tambélo Flamengo-PI e no dia 24 de setembro de 2016, foi anunciado como novo técnico do Alecrim-RN.

Athirson começou a jogar numa escolinha na Urca até os 8 anos. Logo em seguida, foi revelado nas divisões de base do Flamengo, conseguindo uma oportunidade na equipe profissional no ano de 1996.


Logo em sua primeira temporada, cativou a torcida rubro-negra por sua habilidade incontestável, consolidando-se na lateral-esquerda do time, deixando o titular Gilberto no banco de reservas.

No início de 1998, foi emprestado ao Santos, onde conquistou a Copa Conmebol daquele ano. Porém, tornou a vestir a camisa do Flamengo na mesma temporada.

O atleta participou de 19 partidas pela Seleção Brasileira, marcando dois gols. Ele conquistou o torneio pré-olímpico de Londrina, em 1999, que deu vaga para as olimpíadas de Sidney, no ano seguinte.

Em 2001, recusou uma proposta do Barcelona para assinar contrato com a Juventus, após uma batalha judicial em seu fim de contrato. No futebol italiano, fez apenas cinco jogos, não marcou nenhum gol e foi afastado após a chegada do treinador Marcello Lippi.

No retorno ao Brasil, em 2002, passou a treinar cobranças de faltas e, desta maneira, tornou-se o cobrador oficial do Flamengo. Revivendo uma boa fase em sua carreira, Athirson ganhou a Bola de Prata, da Revista Placar, por seu desempenho no Campeonato Brasileiro.

Em 2004, Athirson rescindiu o contrato com a Juventus e passou cinco meses no CSKA Moscou antes de voltar para o Flamengo, pela quarta vez em sua carreira. Contudo, naquele momento, já era, notoriamente, um jogador em decadência. Sem conseguir mais se livrar da marcação dos zagueiros adversários, Athirson havia perdido, completamente, aquilo que fora sua maior virtude no passado, o seu poder ofensivo.

Ironicamente, enquanto Athirson tentava reencontrar seu futebol no Brasil, jogando no Flamengo e depois no Cruzeiro, Gilberto, seu antigo reserva no início da carreira, estava na Seleção Brasileira, chegando inclusive a ser convocado para a Copa do Mundo de 2006.

Em 2005, Athirson foi negociado com o Bayer Leverkusen, da Alemanha. Ficou dois anos por lá, mas não conseguiu se destacar, o que acabou resultando em um longo período de inatividade.

Mais ums vez, sem oportunidade no futebol europeu, foi repatriado pelo Botafogo, em 2007. Visivelmente fora de forma, teve poucas oportunidades de atuar e, assim sendo, rescindiu seu contrato após três meses.

No início de 2008, acertou com o Brasiliense, para a disputa da Série B, porém, no meio da competição, optou transferir-se para a Portuguesa, onde reencontrou o seu futebol realizando boas partidas que acabaram lhe rendendo elogios de antigos críticos. Foi o capitão da equipe e um dos destaques do time.

Após a boa campanha da Portuguesa no Paulistão 2009, Athirson decidiu por não renovar o contrato com a Portuguesa, visto que já possuía proposta do Cruzeiro, e segundo ele lá iria ter mais visibilidade nacional, disputando a Libertadores 2009, e poderia ser convocado para a Seleção sonho antigo de Athirson.

Ao término do Brasileiro, o jogador, vice-campeão da Libertadores pelo Cruzeiro, retornou à Portuguesa.

Na série B de 2010, contra o São Caetano, o jogador entrou para história do clube lusitano ao marcar o gol de numero 7000, da Portuguesa.

No ano de 2011, disputou o Campeonato Carioca pelo América, sendo rebaixado para a segunda divisão do Estadual.

TREINADOR
Como treinador, Athirson fez um bom trabalho no São Cristóvão, em 2015, conduzindo a equipe a uma campanha de recuperação na então Segundona. Depois, comandou Flamengo (PI) e Alecrim (RN), além de uma passagem relâmpago pelo Tocantins, onde ficou apenas dez dias. 

Antes de acertar com o clube carioca, o ex-jogador realizou estágio no Fluminense para concluir as 50 horas de atividades exigidas pelo curso de formação de técnicos da CBF.