Rei da Copa: Cruzeiro conquista o hexa da Copa do Brasil em Itaquera


O Cruzeiro é agora o maior campeão do país da Copa do Brasil. Na noite desta quarta-feira, na Arena Corinthians, a Raposa venceu o 
Corinthians por 2 a 1, ampliando o 1 a 0 da ida, e conquistou o hexacampeonato do torneio mata-mata, com direito a golaço do uruguaio De Arrascaeta. É o bicampeonato da equipe celeste, que ano passado já havia batido o Flamengo na decisão. Ninguém tem mais títulos de Copa do Brasil. O Timão, por sua vez, apoiado por mais de 45 mil corintianos, chegou a empatar com Jadson, de pênalti, depois de gol de Robinho, mas viu uma pintura de Pedrinho ser anulada pelo árbitro de vídeo e amargou o vice-campeonato. 

Sangue no olho
O técnico Jair Ventura surpreendeu na escalação do Corinthians: Sheik e Jonathas entre os titulares, aposta em uma equipe mais ofensiva para fazer jus à festa da Fiel nos arredores da Arena antes da bola rolar. Não deu certo. Ao menos no que diz respeito ao centroavante, que, isolado no ataque, pouco tocou na bola. Aos 40 anos, o veterano foi o melhor do Timão nos primeiros 45 minutos. Entrega, raça e aplicação tática para tentar arrastar o time para frente pela ala direita. 

Apertando o Cruzeiro desde o começo da partida, o Alvinegro sofreu com os próprios erros e viu Ralf e Gabriel serem amarelados ainda nos primeiros minutos. Afobação de quem precisava correr atrás do resultado, mas acabou o primeiro tempo sem ter acertado o gol. Melhor para a Raposa... 

Maior 'de' Copas
Oportunista, o Cruzeiro de Mano Menezes jogou com inteligência, no erro do Corinthians. Foi assim que viu Barcos e Thiago Neves, os dois mais avançados, confundirem a defesa corintiana em contra-ataques rápidos. Neves, de primeira, chutou levando perigo ao gol de Cássio. Atrás, a Raposa contou com a ótima atuação de Dedé, mais uma vez preciso nos desames. O prêmio pela paciência celeste veio aos 27 minutos, após erro de Léo Santos na lateral. Rafinha roubou a bola, tocou para Barcos, que passou pela defesa e chutou na trave de Cássio. No rebote, Robinho bateu de fora da área e abriu o placar em Itaquera. 

Em Itaquera, o VAR decide
O empate do Corinthians saiu logo no começo da etapa final, com o auxílio do árbitro de vídeo. Thiago Neves dividiu com Ralf na grande área e ao tentar recolher a perna tocou no volante do Alvinegro. O árbitro Wagner do Nascimento Magalhães contou com a ajuda do VAR para assinalar o pênalti minutos mais tarde, após rever o lance. Na cobrança, Jadson fez, encerrando um jejum de 434 minutos sem gol do Corinthians.

O clima em Itaquera mudou a favor do Timão. Com a torcida inflamada, a entrada de Pedrinho culminou com o gol da virada. O xodó da Fiel deu bom corte e chutou no canto esquerdo de Fábio, fazendo um golaço em Itaquera. Eis que o VAR novamente entrou em ação, ajudando o árbitro a invalidar o tento. Uma mão de Jadson no peito de Dedé foi interpretada como falta, impedindo a vitória alvinegra. 

Do Japão, o último ato
Ainda com a Arena jogando a favor, Jair Ventura colocou o time para frente, com as entradas de Clayson e Mateus Vital. Exposto, o Corinthians sofreu o gol da derrota em um contra-ataque muito bem orquestrado pelo Cruzeiro. Raniel puxou a bola em velocidade e tocou para o uruguaio De Arrascaeta sair livre, cara a cara com Cássio. Um toque por cima do camisa 1 decretou a vitória por 2 a 1. O meia havia passado as últimas horas no avião: jogou com sua seleção no Japão e fez escala em Dubai antes de voltar ao Brasil para decretar o hexacampeonato cruzeirense.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 1 X 2 CRUZEIRO
Local: Arena Corinthians, São Paulo (SP)
Data-Hora: 17/10/2018 - 21h45
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (Fifa/RJ)
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa (Fifa/RJ) e Bruno Boschilia (Fifa/PR)
Público/renda: 45.978 pagantes/R$ 5.108.151,00
Cartões amarelos: Clayson, Jadson, Fagner, Emerson Sheik, Gabriel e Ralf (COR), Robinho, Thiago Neves e Rafinha (CRU)
Cartões vermelhos: -
Gols: Robinho (27'/1ºT) (0-1), Jadson (9'/2ºT) (1-1), Arrascaeta (36'/2ºT) (1-2),

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Léo Santos, Henrique e Danilo Avelar; Ralf e Gabriel (Mateus Vital, aos 35'/2ºT); Emerson Sheik (Clayson, aos 32'/2ºT), Jadson e Romero; Jonathas (Pedrinho, aos 22'/2ºT). Técnico: Jair Ventura.

CRUZEIRO: Fábio; Edilson, Dedé, Léo e Lucas Romero; Henrique e Ariel Cabral; Robinho, Thiago Neves (Lucas Silva, aos 35'/2ºT) e Rafinha (Arrascaeta, aos 21'/2ºT); Barcos (Raniel, aos 29'/2ºT). Técnico: Mano Menezes.