Por falta de quórum, julgamento do Maricá no STJD é adiado em uma semana

Ainda não vai ser agora que teremos uma definição para a atual edição da Série B2. O julgamento do Maricá, no STJD, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva, pela suposta escalação irregular do atacante Felipe Zuca, que aconteceria na manhã desta quarta-feira (14), foi adiado por falta de quórum. O novo encontro está agendado para a próxima semana, na quarta-feira, dia 21 de novembro. Com isso, a competição segue paralisada.

O caso voltou a ser julgado após a solicitação do esclarecimento de fatos que não haviam ficado claros no julgamento do último dia 25 de outubro, quando o clube foi inocentado e recuperou os pontos perdidos, sendo assim também reconquistando a condição de semifinalista do turno e semifinalista geral do certame. Desde a acusação inicial, aconteceram três veredictos distintos da parte de três tribunais.

O Maricá foi denunciado pela escalação do atacante Felipe Zuca, que atuou durante a Terceirona com o contrato de amador, mesmo tendo nascido em 1997. No regulamento da FERJ, Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro, isso não poderia acontecer. O clube argumentou que o atleta ainda não tinha completado os 21 anos de idade e por isso estava apto, baseando-se na Lei Pelé. 

Na primeira instância o clube foi absolvido. Na superior, a equipe foi punida com a perda de seis pontos. Mesmo com o perigo da pena ser revogada, a competição seguiu com o título do Pérolas do segundo turno e o acesso de Campos e Nova Cidade, com os times decidindo a competição. Já no último dia 25 de outubro, a dois dias da finalíssima, no Pleno do STJD, o tribunal devolveu os pontos ao Maricá e, desde então, a FERJ busca uma solução para o certame. São 20 dias sem jogos desde a paralisação inicial.

Fonte: FutRio