Pan 2019, faltam 101 dias: Ítalo defende a liderança e tenta o bi em Bells Beach

A etapa mais tradicional do mundial de surfe chega à sua 58ª edição nesta terça-feira (16). Bells Beach, no extremo sul australiano, marca a segunda etapa do CT 2019 e tem um favorito como há tempos não víamos: o brasileiro Ítalo Ferreira. O motivo é simples: o potiguar é o atual campeão do evento e líder do circuito mundial. Vai cheio de moral para tentar tocar o sino no lugar mais alto do pódio novamente. Assista à etapa ao vivo aqui no Olimpíada Todo Dia. A chamada acontece às 17h30, de Brasília.

Bells Beach é a etapa mais antiga e, disparada, a mais desigual do tour. Lá, goofys não costumam se dar bem. Seja pelo julgamento dos juízes, pela dificuldade de manter uma linha clássica ou pela extensão da onda, o domínio dos regular’s é total. Tanto é que entre 1999 e 2015 nenhum goofy foi campeão do evento. Quem quebrou o jejum em 2016, surpreendentemente, foi o australiano Matt Wilkinson, que nem na elite está mais. Ainda, em 2018, Ítalo, que também é goofy, causou espanto na mídia especializada ao vencer – ainda mais sobre Mick Fanning, tetracampeão de Bells, na final.
Ítalo Ferreira e Mick Fanning em Bells Beach
Ítalo Ferreira, o surfista a ser batido
Ítalo Ferreira é o cara do momento. Quem abre o site oficial da WSL pode ver que o potiguar é o atual campeão de todas as etapas da primeira linha do calendário. Em Bells, ele chega como favorito. Apesar de que esse cenário era bem diferente há um ano. Ítalo não estava entre os mais cotados – longe disso – e conseguiu superar o sempre perigoso Ezekiel Lau (HAV) nas quartas, Gabriel Medina na semifinal e o herói australiano Mick Fanning, que se aposentou depois do evento, na final.

Um currículo e tanto. Mas, o que mais mudou nesses 12 meses não foi o surfe de Ítalo, que continua crescendo, mas sim sua moral, acumulada com experiência e respeito dos estrangeiros. Não à toa, o brasileiro foi eleito o “surfista do ano” pela Stab Magazine, uma das mais respeitadas no ramo, mundialmente. Bells nem é uma etapa em que ele chega como favorito, pois se o mar estiver clássico, seu estilo não se encaixa tão bem. Mas, sem dúvidas, quem competir contra Ítalo terá uma vontade extra para vencer ” o cara”.
Filipe Toledo surfando em Bells Beach
Quem briga pelo título da etapa
Além de Ítalo, outros nomes chegam bem cotados para a etapa. É o caso do sul-africano Jordy Smith, que começou o ano muito bem na Gold Coast e foi campeão da etapa de Bells em 2017. Outro em que muitos colocam suas fichas é o havaiano John John Florence, que já mostrou estar recuperado da lesão. Gabriel Medina não costuma ter bons resultados no evento, já que desde 2012 só chegou a uma semifinal. No entanto, é impossível dar o bicampeão mundial como carta fora do baralho. Correndo por fora, aparecem Filipe Toledo (BRA), Ezekiel Lau (HAV), Owen Wright (AUS) e o 11 vezes campeão mundial, Kelly Slater (EUA).

Um jejum incomoda o brasileiro Filipe Toledo: já são 4 etapas sem chegar às quartas de final. Destas, três comprometeram sua briga pelo título da temporada de 2018. Sem dúvidas, ele não quer que o mesmo aconteça em 2019. Em Bells, o ubatubense tem uma ótima oportunidade. É uma onda que se encaixa com seu surfe, principalmente se o evento acontecer em Winkipop. Prova disso é que a última nota 10 lá foi dele, no round 1 de 2017.
Caio Ibelli Bells Beach
Briga por vagas para Tóquio começa a aquecer
Como somente dois surfistas por país irão a Tóquio, toda etapa é decisiva. Pelo lado brasileiro, Ítalo Ferreira deu um passo gigante, enquanto Gabriel Medina e Filipe Toledo ficaram bem próximos. Yago Dora já mostrou que pode pintar como surpresa, assim como Willian Cardoso. Pelos Estados Unidos, parece que Kelly Slater terá vida dura. John John é o nome mais provável, enquanto que Kolohe Andino, Conner Coffin, Griffin Colapinto e Seth Moniz parecem ser os principais candidatos à segunda vaga. Pelo lado australiano, Wade Carmichael saiu na frente com um 5º. Logo atrás, aparecem Owen Wright e Mikey Wright.

Caio Ibelli não passa uma bateria no CT há 4 eventos. Nesse meio tempo, ele ficou de fora de 8 etapas por lesão e algo que deve estar o incomodando é não avançar de fase há quase um ano e meio. Bells Beach é o lugar perfeito para uma reviravolta. Lá, Caio viveu o melhor momento de sua carreira. No ano de 2017, o paulista chegou à final, onde perdeu para Jordy Smith. No entanto, o estrago já estava feito, pois na semifinal ele eliminou o havaiano John John Florence, que viria a ser campeão do mundo naquele ano. Em 2019, a história é diferente. Caio chega pressionado e estreia em uma bateria complicada contra Ítalo e Ezekiel Lau, dois candidatos ao título do evento.
Tati Weston-Webb em Bells Beach

Pelo feminino, a brasileira Tatiana Weston-Webb segue como a única representante, enquanto Silvana Lima não se recupera de lesão. No entanto, o momento de Tati é ruim. Ela não chega a uma semifinal desde a etapa de Jeffreys Bay, em 2018. Se quiser alçar vôos maiores, é preciso superar essa barreira das quartas. Surfando de backside, Tati já conseguiu resultados excelentes. Está na hora de virar a chave e voltar a competir entre as melhores, porque a brasileira tem surfe de sobra e deve brigar no topo do ranking, como fez ano passado.

Baterias do round 1 – Rip Curl Pro Bells Beach masculino
1) Owen Wright (AUS), Jeremy Flores (FRA) e Jadson André (BRA)
2) Jordy Smith (AFS), Adrian Buchan (AUS) e Jack Freestone (AUS)
3) Filipe Toledo (BRA), Griffin Colapinto (EUA) e Kelly Slater (EUA)
4) Ítalo Ferreira (BRA), Ezekiel Lau (HAV) e Caio Ibelli (BRA)
5) Julian Wilson (AUS), Joan Duru (FRA) e Jacob Wilcox (AUS)
6) Gabriel Medina (BRA), Ryan Callinan (AUS) e Harrison Mann (AUS)
7) Conner Coffin (EUA), Michael Rodrigues (BRA) e Leo Fioravanti (ITA)
8) Kolohe Andino (EUA), Seth Moniz (HAV) e Soli Bailey (AUS)
9) Wade Carmichael (AUS), Yago Dora (BRA) e Ricardo Christie (NZL)
10) Michel Bourez (FRA) Sebastian Zietz (HAV) e Deivid Silva (BRA)
11) John John Florence (HAV), Jesse Mendes (BRA) e Willian Cardoso (BRA)
12) Kanoa Igarashi (JAP), Mikey Wright (AUS) e Peterson Crisanto (BRA)

Baterias do round 1 – Rip Curl Pro Bells Beach feminino
1) Tatiana Weston-Webb (BRA), Malia Manuel (HAV) e Macy Callaghan (AUS)
2) Caroline Marks (EUA), Courtney Conlogue (EUA) e Brisa Hennesy (CRC)
3) Stephanie Gilmore (AUS), Bronte Macaulay e wildcard
4) Carissa Moore (HAV), Coco Ho (HAV) e Keely Andrew (AUS)
5) Lakey Peterson (EUA), Nikki Van Dijk (AUS) e Paige Hareb (NZL)
6) Johanne Defay (FRA), Sally Fitzgibbons (AUS) e Sage Erickson (EUA)

Como assistir à etapa de Bells Beach ao vivo
Entre todos os dias aqui no Olimpíada Todo Dia nesta mesma página. Fique ligado no nosso tempo real no topo deste post. Lá, colocamos todas as informações que a WSL divulga sobre o campeonato. No dia que o evento estiver acontecendo, você verá a transmissão ao vivo. Em alguns casos, é preciso atualizar a página.

Comentários