Procura-se meias: Boavista passa por baixas no setor e busca reposições

Já trabalhando para a Série D do Campeonato Brasileiro, o Boavista deve anunciar reforços nos próximos dias e os principais alvos do clube serão para o setor de meio-campo. Isso porque o Verdão de Saquarema manteve quase todo o elenco que disputou o Carioca, mas o setor foi o que mais sofreu baixas.

Principal contratação do clube para o Campeonato Carioca, Carlos Alberto jogou apenas quatro vezes, fez um gol e conviveu com uma briga com a balança, se mostrando acima do peso nos jogos em que entrou em campo. A permanência para a Série D não está 100% descartada, mas o atleta não se apresentou nesta primeira semana de trabalho.

O Verdão perdeu seu grande destaque do Campeonato Carioca, já que Arthur Rezende foi emprestado ao Guarani (SP). O volante foi o artilheiro da equipe no Estadual, com quatro gols, além de ter contribuído com mais três assistências. Participou de sete dos 11 gols do Boavista. Outro volante, Ralph, que chegou por empréstimo junto ao Atlético (MG), foi pouco aproveitado e não segue no Rio.

Busca para o gol não é descartada
Uma posição que também pode ser alvo para o Boavista é o gol. Após dois anos e meio no clube, tendo jogado 48 partidas e conquistado a Copa Rio de 2017, Rafael passou por problemas particulares durante o Estadual, chegou a parar de treinar, mas retornou às atividades na reta final da Taça Rio. Ele ainda não renovou o vínculo e não deve ficar. Para posição, há outras opções, todos jovens: Gabriel, Guilherme e Ary.

Demais setores estão bem servidos
Nas demais posições o Boavista segue bem servido. No ataque, apenas Pachu, cedido pelo Botafogo, deixou o clube. Por outro lado, o treinador Eduardo Àllax ainda conta com diversas opções. Na zaga, nenhuma baixa. Nas laterais, apenas a saída de Bruno Moura, na direita, enquanto Gabriel Casimiro e Wellington Silva seguem no plantel.

O Boavista estreia na Série D em 5 de maio, contra o Brusque (SC). A equipe de Saquarema está no Grupo A16, que também conta com Gaúcho (RS) e Foz do Iguaçu (PR).

Comentários