Fluminense derrota Peñarol e está nas quartas de final da Sul-Americana

Yony González comemora gol do Fluminense contra o Peñarol -     Thiago Ribeiro/AGIF
O Fluminense está nas quartas de final da Copa Sul-Americana. A equipe do técnico Fernando Diniz derrotou o Peñarol, do Uruguai, por 3 a 1, no Maracanã, e garantiu vaga na próxima fase da competição. Marcos Paulo, duas vezes, e Yony González garantiram a alegria dos tricolores. Viatri fez para os visitantes

No primeiro confronto, o time das Laranjeiras já havia vencido por 2 a 1, com dois de Yony González.

O Tricolor, agora, aguarda o vencedor do confronto entre Corinthians e Montevideo Wanderes, do Uruguai. A decisão acontece na quinta-feira, no Uruguai, e o Timão tem vantagem após o triunfo por 2 a 0 no primeiro encontro.

Quem foi bem - Yony González
Yony González se tornou o nome da classificação do Fluminense na Sul-Americana. O jogador, que havia marcado duas vezes no primeiro jogo, voltou a balançar a rede e foi importante na partida no Maracanã, ajudando, com velocidade, a equipe da casa a explorar os espaços deixados pelo Peñarol.

Vale menção também para o lateral-direito Igor Julião, que deu assistência para o primeiro gol e conseguiu apoiar bastante o ataque.

Quem foi mal - Ala esquerda da defesa do Peñarol
A ala esquerda da zaga do Peñarol, que tinha o volante Trindade, o lateral-esquerdo Rojo e o zagueiro Enzo Martínez, não conseguiu se encontrar. Por ali, o Fluminense conseguiu achar espaço e criar diversas oportunidades de gol - os dois primeiros saíram por este setor do campo.

Primeiro gol ninguém esquece
O jovem Marcos Paulo marcou o primeiro gol como profissional. O atacante, destaque na base e que forma o "Casal Sub-20" com João Pedro, tem 15 partidas nesta temporada e três assistências. Ele abriu o placar logo no primeiro minuto do duelo desta noite (ainda balançou a rede mais uma vez, no início do segundo tempo).

Fluminense: atuação com tranquilidade
A equipe tricolor, que já tinha vantagem, conseguiu abrir o placar logo cedo, o que levou tranquilidade à equipe de Diniz. Com o time adversário pressionado e precisando ir ao ataque, a equipe tricolor conseguiu achar espaços e explorar as saídas em velocidade.

Em algumas jogadas, o goleiro Muriel optou pelos chutões para frente. Como avisado pelo treinador, neste início de trabalho do arqueiro, ele está à vontade para optar pela forma de jogar que achar melhor e não necessariamente atuar com pés, algo que o treinador considera primordial.

Peñarol: 'tudo ou nada'
Com mudanças em relação ao time titular do primeiro jogo, a equipe uruguaia precisava tirar a vantagem do Fluminense, mas a estratégia foi por terra logo na primeira jogada do duelo, quando o time tricolor abriu o placar e obrigou o Peñarol a ir "para o tudo ou nada".

Com o time tricolor podendo aguardar as investidas do adversário, os uruguaios até conseguiram ter mais posse de bola, mas não foram efetivos e Muriel teve poucos sustos. A equipe do técnico Diego López se mostrava ansiosa em concluir as jogadas e errava demais, fazendo com que poucas chances claras fossem criadas. As bolas paradas, então, passaram a ser uma alternativa. E foi assim que saiu o gol de Viatri - aproveitando rebote -, o único dos uruguaios na partida.

Cronologia do jogo
O torcedor tricolor que entrou atrasado não viu Marcos Paulo balançar a rede logo no primeiro ataque. O gol fez com que o primeiro tempo se transformasse em um Peñarol tentando avançar ao campo de ataque a todo custo e o Fluminense aproveitando os espaços.

Desta forma, algumas oportunidades foram criadas e, em uma delas, Yony González ampliou a vantagem, fazendo com que a vida do time uruguaio ficasse ainda mais complicada no jogo. O gol aconteceu depois de um belo passe de Pedro, que dominou e, sem deixar a bola cair, tocou no calcanhar.

O Peñarol assustou em uma cobrança de falta com bola alçada para área e em uma jogada veloz que terminou com a finalização Brian Rodríguez e defesa de Muriel.

Na volta do intervalo, o roteiro se repetiu. Marcos Paulo, novamente, deixou o dele logo nos primeiros minutos. O jovem aproveitou rebote do goleiro Dawson. A jogada começou com passe de Ganso, que achou Caio Henrique sozinho na área.

Com o placar favorável, o Fluminense conseguiu jogar mais na espera e aproveitando os erros do Peñarol que, mesmo tendo a bola, se mostrava muito frágil e sem criatividade. As jogadas mais perigosas vinham de escanteios e cobranças de falta e foi desta forma que os visitantes conseguiram chegar ao gol. Matías de los Santos bateu e a bola explodiu na barreira, no rebote, o mesmo Matías finalizou e mandou no travessão e, na volta, Viatri, sem marcação, concluiu de cabeça.

Após o gol, o Peñarol ameaçou uma pressão, mas voltou a esbarrar nas próprias limitações. O Tricolor, com a saída de Ganso e entrada de Bruno Silva, fortaleceu a marcação e a presença no meio, conseguindo voltar a ter o comando do jogo.

Ao fim, celebração da torcida do Fluminense. O time, agora, volta o foco para o Campeonato Brasileiro, competição em que se encontra na zona de rebaixamento.

Comentários