Adilson sobre atrasos no Goyta: "Se tiver que abandonar, vamos abandonar"

O Goytacaz é terceiro colocado na classificação geral da Série B1 do Campeonato Carioca, mas fora de campo as coisas não andam nada bem no clube da Rua do Gás. Após o empate contra o Itaboraí, pela sétima rodada da competição, o goleiro Adilson explicou tudo que vem acontecendo no dia a dia. O arqueiro lembrou dos três meses de salários atrasados, citou dificuldades vivida pelos jogadores.

- O que ficou combinando e o que estamos revindicando não é nada mais do que os nossos direitos. Dia 10 já vence o terceiro mês e abrindo o quarto mês. Estamos cobrando realmente o nosso salário. Faltam menos de duas semanas para o campeonato acabar, a gente com chance de classificação. Precisamos de uma posição da diretoria e o nosso pagamento. O grupo se reuniu, disse que não joga enquanto não sanar todas as dívidas. Não é um salário. Enquanto não sanar tudo, a gente não treina na segunda, se tiver que não jogar, a gente não joga na quarta-feira. Infelizmente se tiver que abandonar a competição, vamos abandonar. É a posição do grupo, não de um ou outro. Lógico que dentro do grupo, tem que ter um para falar e para todos que estou dando entrevista, estou batendo nessa tecla. Não estamos cobrando nada mais do Goytacaz do que os nossos salários. Na segunda, vamos nos apresentar normal como se fosse treinar, mas se não tiver nenhuma solução, vamos parar novamente.

Questionado sobre as dificuldades que os atletas e comissão vem passando no dia a dia, Adilson afirmou que está tudo bastante complicado, com jogadores sendo despejados de onde moram. O camisa 1 do Goyta deixou claro que tudo que diretoria cobrou dos atletas, vem sendo feito dentro de campo.

- Há três meses sem receber, afeta tudo. Não tem como a gente esconder. Tem jogar sendo despejado de apartamento. Infelizmente a situação é bem precária e a gente precisa que o presidente, diretoria se posicione e resolva nosso problema. Acredito que a cobrança que eles fizeram sobre o nosso trabalho até agora, estão aí os resultados. Não temos que provar nada para ninguém. Quando entramos em campo, é para dar o nosso melhor como foi nesse jogo. Precisamos de uma resposta e uma solução por parte da diretoria.

Também teve futebol...
Comentando sobre o duelo contra o Itaboraí, Adilson afirmou não acreditar em sorte ou falha. O goleiro elogiou a partida feita pelo Goyta, mas citou uma pequena desatenção na reta final da partida.

- Nem uso a palavra sorte. Não levo isso comigo no futebol. Futebol é competência e desatenção. As defesas que eu fiz foi fruto do nosso trabalho junto com minha comissão, jogadores. E se tomamos um gol, foi falha nossa. Não uso também a palavra falha, mas foi um gol que tirou dois pontos nosso, que estávamos contando com a vitória, para que chegassemos perto da classificação geral. Nosso objetivo era esse. Sabíamos que o jogo seria difícil contra o Itaboraí que está brigando na parte de baixo. Infelizmente tivemos uma desatenção, onde o Rodriguinho foi muito feliz e acertou o ângulo e eu não pude ajudar a equipe.

Caso os salários caiam na conta, o Goytacaz volta a campo na próxima quarta-feira (11), às 15h, contra o Tigres, no Aryzão.

Fonte: FutRio
Foto: Jhonathan Jeferson (FutRio)

Comentários