Pular para o conteúdo principal

Anúncios

Especialistas divergem sobre o uso de máscaras no futebol

O futebol na Coreia do Sul voltou na semana passada - Foto: Kim Hong-Ji/Reuters/08.05.2020
Na Coreia do Sul o futebol já voltou. No sábado será a vez da Bundesliga — Campeonato Alemão. Clubes e federações se mobilizam para que os atletas e todos os envolvidos numa partida estejam em segurança.

Estádios vazios, testes em massa e cuidados redobrados com a higiene são algumas das medidas adotadas. Mas um dos itens mais importantes para evitar a propagação do coronavírus têm sido polêmico no mundo da bola, levantando a questão: é possível jogar de máscara?

O Ministério do Trabalho alemão sugeriu que os jogadores entrassem em campo utilizando o equipamento de proteção. O renomado virologista belga Marc van Rast também apoiou a utilização de máscaras, mas a viabilidade disso têm sido questionada por médicos e atletas.

— Essa máscara é feita para proteção à Covid-19, como as utilizadas por profissionais de saúde. Não é específica para a prática de esportes — afirma a infectologista Elisa Aires, da DaVita Serviços Médicos.

A médica também pontua que, durante a prática e exercícios físicos, a respiração fica mais forte, e uma pessoa é capaz de exalar o vírus ainda mais longe. Portanto, seria necessário um distanciamento de mais de dois metros para se manter em segurança.

Médico da Fifa, o brasileiro Marco Michelucci apresenta mais um aspecto:

— O uso da máscara para a proteção adequada precisa ter vários cuidados. Pelo fato de o futebol ser um esporte de contato, ela deveria ser trocada várias vezes, e seria quase impossível fazer tantas paralisações durante uma partida — explicou o médico, que aponta outros problemas que colocam em cheque a viabilidade das máscaras:

— Precisaria estar em consonância com o capítulo da Fifa que fala sobre os equipamentos. A máscara teria que ser da mesma cor do uniforme, e não poderia ter muitas protuberâncias. Alguns modelos não satisfazem os critérios da entidade, mas é preciso analisar o regulamento de cada federação.

Fonte: O Globo

Comentários